Vaticano apresenta documento “Identidade e missão do religioso irmão na Igreja”

Publicado em

O objetivo é valorizar a riqueza e a necessidade de todas as vocações na Igreja, especialmente a vocação à vida religiosa laical de homens e mulheres

A Congregação para os Institutos de Vida Consagrada e as Sociedades de Vida Apostólica apresentou o documento “Identidade e missão do religioso irmão na Igreja”. Para ilustrar e dar algumas chaves de leitura do texto, o cardeal João Braz de Aviz e Mons José Rodríguez Carballo, prefeito e secretário de tal Congregação participou de uma coletiva de imprensa no Vaticano, nesta segunda-feira.

RLG -Zenit©IMAG3843

O cardeal Braz de Aviz garantiu que este documento destaca a grande riqueza e atualidade da vocação dos irmãos. O seu conteúdo – destacou – pareceu-nos muito válido e inovador à luz do Concílio Vaticano II.

Também recordou que “a vocação do religioso irmão é, em primeiro lugar, a vocação cristã. É o chamado do Espírito a assemelhar-se a Cristo pela glória do Pai e para contribuir à edificação do Reino”.

O cardeal afirmou que o documento indica que a identidade e a missão do religioso irmão se resume na fraternidade entendida como “dom que o irmão recebe de Deus Trindade, comunhão de pessoas”, “dom que compartilha com os seus irmãos na vida fraterna em comunidade” e “dom que oferece ao mundo para a construção de um mundo de filhos de Deus e de irmãos”.

Neste sentido afirmou que “a fraternidade não é meramente resultado do esforço pessoal. Ninguém chega a ser irmão de acordo com o Evangelho pelo simples desejo de sê-lo ou por um impulso individual. A fraternidade é, especialmente, um dom de Deus”. O religioso irmão – acrescentou – é alguém que, seduzido pelo amor do Pai, oferece-se totalmente a Ele, ou seja, se consagra sem reservas. “Identifica-se assim com Jesus que, na cruz, se entrega totalmente até dar a vida pelos seus irmãos, e com Jesus lava os pés dos seus discípulos”, explicou o cardeal. Da mesma forma, explicou que “o dom que o religioso recebeu torna-se compartilhado na vida fraterna em comunidade”. E – acrescentou – dizer vida fraterna em comunidade equivale a dizer relações harmônicas entre irmãos, conhecimento recíproco, aceitação e amor, diálogo, estima mútua, apoio mútuo, compartilhar os talentos, esquecer-se de si mesmo, perdão, discernimento em comunidade da vontade de Deus, colaboração na missão eclesial, abertura às necessidades da Igreja e do mundo, especialmente dos mais necessitados.

Em terceiro lugar, afirmou que “o dom que o  irmão religioso recebe e partilha com seus irmãos transforma-se em dom que nos entrega à missão”. Fundado na experiência fundamental – reconheceu – de sentir-se com Jesus filho amado do Pai, o religioso irmão vive em comunhão com os seus irmãos e projeta a sua fraternidade em todas as suas relações, em todas as suas atividades e trabalhos. E, sobre isso, garantiu que “os irmãos realizam a própria missão de contribuir à construção do Reino de fraternidade através da oração incessante, do testemunho de vida fraterna e da decisão comunitária a serviço da Igreja e do mundo”.

Por sua parte, mons. Rodríguez Carballo quis agradecer o Papa emérito Bento XVI, porque foi ele que, em 2008, deu o primeiro impulso para a redação deste documento. E um agradecimento também ao Papa Francisco  que já conhecia o rascunho do documento quando era cardeal arcebispo de Buenos Aires e membro desta congregação.

Em seguida, explicou que “o documento tem como objetivo sublinhar a riqueza e as necessidades de todas as vocações na Igreja, especialmente a vocação à vida religiosa laical de homens e mulheres”. O documento – disse – foca especialmente no específico da vida religiosa laical, ou porque lhe pertence de forma exclusiva, ou porque o destaca de uma forma especial.

O arcebispo afirmou que em primeiro lugar, o documento está particularmente destinado e diretamente aos irmãos religiosos dos Institutos laicais, mas estende-se também às mulheres consagradas, pela grande semelhança que existe entre ambas vocações, e, em parte também, a todos os irmãos leigos dos Institutos clericais.

Por outro lado, quis recordar que inicialmente a vida religiosa tinha como propósito a confirmação a Cristo em uma vida fraterna de irmãos e irmãs consagrados especialmente pelo serviço da oração e da missão. Com o tempo, destacou, “o ministério sacerdotal adquiriu cada vez mais relevância em muitos institutos de religiosos homens, a tal ponto que superavam em número os irmãos religiosos”. Atualmente, “os irmãos religiosos são, aproximadamente, uma quinta parte do total dos religiosos homens”, esclareceu mons. Rodríguez.

Em conclusão, expressou sua esperança de que a divulgação deste documento “contribua significativamente para uma melhor compreensão da vocação e missão do irmão religioso, para uma maior valorização por parte dos próprios irmãos e de toda a Igreja; e que os religiosos irmãos, as religiosas e todos os consagrados e consagradas vivam cada vez com mais fidelidade a sua vocação”. 

Source: Zenit

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s