O Príncipe da Paz

Publicado em Atualizado em

“Darei paz à vossa terra, e vosso sono não será perturbado. Afastarei da terra os animais nocivos, e a espada não passará pela vossa terra.” (Lv 26,6).

Essa era a paz considerada como um dos maiores dons oferecidos por Deus ao povo eleito, no Antigo Testamento, e o que mais era por ele desejado. Conturbados pelos temíveis efeitos do castigo que lhes coube pelo pecado original; não só a morte, privações e enfermidades, mas também o próprio nomadismo impedia-lhes possuir uma existência serena. A intranquilidade se lhes apresentava como um terrível tormento. Faltava-lhes, portanto, esse elemento essencial constitutivo da paz, ou seja, a tranquilidade, pois, como define Santo Agostinho:  “A paz é a tranquilidade da ordem” 1

Por isso ansiavam por esta paz, obra exclusivamente divina a seus olhos, que lhes seria concedida como prêmio à sua fidelidade: “Senhor, proporcionai-nos a paz! Pois vós nos tendes tratado segundo o nosso procedimento” (Is 26,12).

O ideal do varão justo, amado por Deus, era o do homem pacífico: “…aqueles que têm conselhos de paz, estarão na alegria” (cf. Pr 12,20), e este receberia como recompensa, a plenitude dessa paz: “Aqueles que confiam nele terão inteligência da verdade, e os que são fiéis ao seu amor, descansarão unidos a ele; porque a graça e a paz são para os seus escolhidos” (cf. Sb 3,9).

Ora, tendo o homem rompido com a justiça, a paz tinha desaparecido da face da terra e era preciso que alguém viesse devolvê-la para que, finalmente, se realizasse aquilo de que falara o rei profeta: “A misericórdia e a fidelidade se encontraram juntas, a justiça e a paz se oscularam” (Sl 84,11). O profeta Jeremias antevira esse Libertador esperado, portador da tão almejada paz messiânica, aplicando-lhe estas palavras: “Bem conheço os desígnios que mantenho para convosco – oráculo do Senhor -, desígnios de prosperidade e não de calamidade, de vos garantir um futuro e uma esperança.” (Jr 29,11).

Seu nascimento não foi coberto de pompas e glória, mas nasceu pobre, numa gruta nos arredores de Belém.( cf Lc 2, 7) Não era – como sonhavam os judeus – a figura do Messias dominador que vinha arrebentar as pesadas cadeias do jugo romano e exterminar todos os seus inimigos ao fio da espada. Não. Foi um tenro menino que ocultou sob as debilidades da infância, o poder de um Deus. É verdadeiramente o “Príncipe da Paz”, prometido por Isaías ( cf Is 9,6), que veio trazer à terra um oceano de bem e de amor, capaz de transmitir a felicidade plena ao universo inteiro e a mil mundos, caso existissem. Os arautos de seu advento não foram outros que os anjos do céu, que transmitiram a boa nova cantando um hino de paz: “Glória a Deus no mais alto dos Céus, e paz na terra aos homens de boa vontade” (Lc 2,14).

Ao longo de sua vida pública, Jesus foi todo amor e misericórdia e fazer o bem era o seu lema. Ele não veio para condenar, mas para perdoar, para aliviar nossas costas dos fardos, e trazer ao mundo uma economia da graça totalmente nova. Sobre a cidade de Jerusalém, Ele chorou soltando esta pungente lamentação: “Se tu conhecesses ainda o que te pode trazer a paz” (Lc 19,42). Chamou bem-aventurados os pacíficos ( Mt 5,9) e ordenou a seus discípulos: “Em toda casa em que entrardes, dizei primeiro: Paz a esta casa!”(Jo, 10,5), para publicar a anistia e a remissão geral de todos os pecados.

Após a última ceia, antes de partir para o Pai, quando se preparava para derramar todo o seu Sangue como preço de nossa Redenção, deixou aos seus um precioso legado que os sustentaria em meio às tribulações que se aproximavam: “Deixo-vos a paz, dou-vos a minha paz. Não vo-la dou como o mundo a dá. Não se perturbe o vosso coração, nem se atemorize!” (Jo 14,27).

A tranquilidade e o equilíbrio, que foram arrebatados ao homem depois do pecado, foram-lhe restituídos com aquela saudação: “A paz seja convosco” (Jo 20,19) empregada por Cristo, vitorioso sobre a morte, ao aparecer milagrosamente no meio de seus discípulos.

Assim, a paz entre Deus e os homens foi maravilhosamente estabelecida pela morte e ressurreição do próprio filho de Deus, o Verbo Eterno feito carne, que se submeteu, obediente ao que o Pai, em sua justiça, ordenou. Mais tarde, São Paulo tornou pública essa pacificação dizendo: “Justificados, pois, pela fé temos a paz com Deus, por meio de Nosso Senhor Jesus Cristo.” (Rm 5,1).

Entretanto, percorrendo com os olhos o mundo de nossos dias, encontramo-lo no extremo oposto da paz. No interior dos corações penetrou o tédio, a apreensão, a angústia e a frustração, por não falar do verme roedor do orgulho e da sensualidade. A instituição da família tornou-se uma peça de museu. As nações se digladiam umas com as outras, sem levar em conta o direito alheio. Em síntese, não há paz individual, nem familiar, nem mundial.

Mais uma vez na história, o povo anda na escuridão e jaz nas trevas mais pavorosas. A humanidade parece andar às apalpadelas e torna-se premente a necessidade de uma luz que a ilumine e guie, qual nova estrela de Belém.

Por esta razão, nossos corações se voltam à Rainha da Paz a fim de suplicar sua poderosa intercessão para que o Divino Espírito Santo, repetindo o milagre de Pentecostes, volte a atear em todos os corações o fogo da caridade. Que Ele faça novamente florescer a virtude na terra, para que os homens procurem a Deus de toda a alma, orientem seus passos nas pegadas d’Aquele que se apresentou como sendo “o Caminho, a Verdade e a Vida” (Jo 14,6) e tomem como fonte de conhecimento e modelo a ser imitado Àquele que disse: “Aprendei de mim, que sou manso e humilde de coração” (Mt 11,29) Teremos assim, uma sociedade impregnada de santidade, reflexo da sublimidade de Deus. Uma sociedade onde a força e a comiseração, a majestade e a bondade, a seriedade e a suavidade andarão juntas e se oscularão. Quanta doçura! Quanta ordem! Que paz!

Realizar-se-á afinal aquela profecia de Isaías: “Ah! Se tivesses sido atento às minhas ordens! Teu bem-estar assemelhar-se-ia a um rio, e tua felicidade às ondas do mar; tua posteridade seria como a areia, e teus descendentes, como os grãos de areia; nada poderia apagar nem abolir teu nome de diante de mim.” (Is 48,18-19). E no mundo reinará, como nunca antes, a paz de Cristo no Reino de Cristo.

1 SANTO AGOSTINHO. Cidade de Deus. Trad. Oscar Paes Leme. 9ª ed. Editora São Francisco. Bragança Paulista, 2006. Parte II, p.403

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s