Ofício de Trevas: Sábado Santo

Publicado em Atualizado em

oficio_das_trevas_seman_santa_sao_joao_del_rei_-_thiago_morandi

O nome da cerimônia é Ofício “de Trevas” e não “das Trevas”. O Ofício de Trevas é um conjunto de leituras, lamentações, salmos e preces penitenciais, onde o templo fica às escuras, iluminado apenas por velas que se apagam aos poucos durante a cerimônia. Esta forma de celebrar é responsável pelo nome dado ao ritual, que representa o luto e a escuridão à qual ficou sujeita a Terra diante da morte de Jesus. O Ofício de Trevas é um forte momento de oração e reflexão da vida e missão de Cristo, que conduz os fiéis à oração mediante a meditação da Palavra de Deus.

O Oficio das Trevas, rezado na Semana Santa em diversas igrejas do mundo, apesar de não estar prescrito nos livros litúrgicos reformados pelo Concílio Vaticano II, provém de antiquíssimo na tradição na Igreja. Esse Ofício compreende os Salmos e Leituras das Matinas e das Laudes da Quinta-feira “In Coena Domini”, do Breviário Romano (Editio XIV Juxta Typicam, Amplificata XII), anterior à reforma litúrgica e deve ser rezado depois do pôr do sol da Quarta-feira Santa e antes do amanhecer da Quinta-feira “In Coena Domini”. Também na Sexta-feira Santa e no Sábado Santo se rezam esse Ofício.

Cabe lembrar que no atual breviário, posterior à reforma litúrgica, é possível, segundo a Santa Sé, fazer um Ofício das Trevas adaptado, usando o Ofício de Leituras e as Laudes dos mesmos dias. Na falta de rubricas específicas, adaptam-se as do rito anterior.

É chamado “de trevas”, pois, no decorrer dele, apagam-se sucessivamente 14 velas em memória das trevas que cobriram a humanidade na morte de Nosso Senhor Jesus Cristo. Para este fim é usado o candelabro triangular com quinze velas (chamado de tenebrário). A vela da ponta representa o Cristo, e as demais representam os onze apóstolos e as três Marias. Ao final do ofício só a vela que representa Cristo permanece acesa. A escuridão do templo, em quase total penumbra, representa a escuridão da humanidade e o abandono sentido pelo Redentor do Mundo no Horto das Oliveiras.

Como o Ofício das Trevas não está mais previsto no rito atual, há inúmeras possibilidades de fazer um serviço litúrgico com esse nome: o próprio Ofício no rito antigo, a adaptação para o rito atual, e uma para-liturgia usando alguns elementos do rito.

By Alan Lucas de Lima

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s