Promessa, Natal com Santo Agostinho

Publicado em Atualizado em

“Deus se fez homem. O que vai ser homem, se o seu Deus se fez homem?”

(In Io. Jo. Tr. 10,1)

Image

Promessa

Não há uma página em que Agostinho não ressoar o nome de Cristo em sermões, em particular, destaca-se “a preponderância reconheceu Cristo como o objeto de contemplação e pregação.” E se tal afirmação afeta todo o ministério da pregação de Agostinho, mais ele se adapte a apresentação de Cristo em discursos para o feriado de Santo Natal. A partir da luz de Cristo, o verdadeiro Sol da Justiça, novo dia, entendemos o mistério da salvação que Deus deu ao homem. É um mistério paradoxal: a Palavra de Deus, que é com o Pai desde a eternidade, entra no tempo, aniquila-se e assume a condição de criatura se torna carne. Agostinho para meditar, aprofundar incessantemente os dois versos do prólogo do Evangelho de São João, que retornam insistentemente entre suas páginas: No princípio era o Verbo , e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus.. E o Verbo se fez carne e habitou entre nós (1, 1.14). São os dois pólos para tateou de entender, mas mesmo antes disso a aceitar com fé o mistério da Encarnação e do mistério da salvação do homem, que é feito adequado para a vida divina. Com a Encarnação, Deus já nos enche de seus dons ( cf. Sermo 185, 3), e entre eles a chamada para se tornarem filhos de Deus, que para nós não desdenhou de se tornar um filho do homem (cf. Sermo 184, 3 ).

O tema da Encarnação não pode ser separada da outra expressão, a sua humildade agostiniana vocabulário. É a marca distintiva de Cristo desde sua aparição na gruta de Belém. Em face de um Deus que se revela no sinal de humildade, o homem que não pode livrar-se de qualquer sinal de grandeza e orgulho. O próprio Agostinho nos lembra em suas Confissões (VII , 9, 13 ), trazendo a sua experiência: “Primeiro você queria me mostrar como você se opõe ao orgulhoso, você confere sua graça aos humildes , e como você apontou misericórdia aos homens o caminho da humildade, pois a sua Palavra se fez carne e habitou entre os homens”. Somente aqueles que seguem o caminho da humildade pode ser reconhecido no corpo de uma criança, o Filho de Deus a partir deste pressuposto Agostinho dá voz ao seu canto de contemplação e adoração na frente da cena da Natividade.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s